Tel:11 - 4604-8046 | E-Mail: atendimento@eaemaq.com.br

Agrícola Telhados produtivos

Telhados produtivos

-

- Advertisement -
- Advertisement -

Parte do lucro das hortaliças cultivadas pela Plant Fazendas Urbanas é revertida para a montagem de novas hortas em regiões com situação de vulnerabilidade, levando alimentação saudável e geração de renda aos seus moradores.

Anos viajando e vendo de perto a seca do sertão nordestino fez com que a empresária e geógrafa Edileusa Andrade despertasse para um negócio social na cidade de São Paulo, onde atualmente funciona sua empresa: a Plant Fazendas Urbanas, startup que cultiva hortas sem uso de defensivos agrícolas, no topo dos escritórios, e mantém um centro de compostagem de material orgânico.

Para ela, o conceito de fazenda urbana faz com que empresas, instaladas nas cidades, contribuam para melhorar o ecossistema. Hoje, seu projeto também ajuda a levar alimentação saudável a bairros carentes, em locais considerados em situação de vulnerabilidade.

A proposta da Plant Fazendas Urbanas gira em torno daquilo que a população pode fazer contra a mudança global do clima, enquadrando-se no número 13 dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU).

Lê – como a empresária gosta de ser chamada – deixou o emprego de gerente para se dedicar unicamente à sua startup, fundada por ela em 2016 em São Paulo. Antes disso, a geógrafa esteve no Nordeste, onde atuava na formação comunitária no interior da Bahia e Piauí, em plena região de seca.

A Plant Fazendas Urbanas produz hortas em telhados de grandes empresas. Foto: Divulgação.

Hortas em telhados

De sua experiência no sertão nordestino, a executiva trouxe a ideia para a capital paulista, com a proposta de reproduzir hortas nos telhados de grandes empresas. Todo o trabalho foi feito com a ajuda dos sócios Jean Roversi e Jeison Cechell.

Com uma horta que deu errado, a empresária teve o impulso que faltava para começar a empreender. No Jardim Pantanal (SP), região localizada na várzea do Rio Tietê e conhecida pelas constantes enchentes, horta urbana elabora por ONG em que trabalhava alagou.

A empreendedora, que já estava desmotivada com os perigos e as ameaças por atuar em regiões com alta criminalidade, decidiu que era momento de mudar os rumos profissionais, mas sem abandonar a ideia de trabalhar com horta e ajudar a quem precisava.

Inclusão social e produtiva

O projeto da Plant Fazendas Urbanas leva alimentação saudável à comunidades carentes e permite a geração de renda aos moradores dessas regiões. Foto: Divulgação.

Além de reduzir as ilhas de calor, a proposta fomentava a alimentação saudável para diferentes classes socioeconômicas e buscava inclusão social e produtiva por meio de parceria com catadores, agricultores familiares e mulheres em situação de vulnerabilidade social na montagem e manutenção das hortas. Para as corporações, a horta de telhado podia ocasionar a redução do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), nos municípios com essa regulamentação.

Em 2017, o projeto da Plant Fazendas Urbanas foi avaliado e selecionado pelo The Big Hackathon, competição do Programa das Nações Unidades para o Desenvolvimento (PNUD), por atender ao ODS de número 13. No final do mesmo ano, com uma margem de lucro de cerca de 70%, o negócio estava em fase inicial de operação e otimista com a carteira de clientes.

Naquela época, a empresa, que ainda tinha o nome de Vianatus, recebeu dois prêmios, sendo o primeiro como “Negócio de Impacto Social” promovido pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e o PNUD; e o segundo, de “Negócio de Impacto Ambiental”, concedido pelo Sebrae.

Fazendas urbanas instaladas nas cidades contribuem para melhorar o ecossistema. Foto: Divulgação.

Negócio social

Visto com um negócio social, quando ainda estava no Nordeste, o projeto da Plant tornou-se realidade há pouco mais de dois anos. Hoje, Lê Andrade desenvolve quatro projetos e segue com outros, em negociação.

O principal propósito da empresária, além disso, vem sendo alcançado: levar alimentação saudável para as comunidades, além de permitir a geração de renda aos moradores de regiões carentes.

“Cada horta que a gente vende, uma parte é revertida em uma horta na periferia, com quem trabalhamos por meio das associações de bairros”, conta a fundadora da Plant Fazendas Urbanas, acrescentando que “uma parte da produção é vendida pelos moradores ou distribuída”.

Tudo orgânico

A produção das hortas construídas em empresas, condomínios e escritórios segue para os restaurantes das próprias corporações ou é vendida em feiras. A hortaliça produzida pela Plant é orgânica, ou seja, sem utilização de agrotóxicos.

Antes destinado a parar em um aterro sanitário, “o material recolhido dos restaurantes – como os restos de alimentação – segue para um centro de compostagem de material orgânico e retorna para a horta como matéria-prima abundante em vitaminas”, explica a geógrafa.

O trabalho de Lê Andrade (ao centro) é feito com a ajuda dos sócios Jean Roversi e Jeison Cechelle. Foto: Divulgação.

Segundo Lê Andrade, todo o material usado pela empresa vem de objetos reciclados, adquiridos de moradores de áreas carentes.

Na mesma startup, além do trio de sócios, três mulheres trabalham como mantenedoras das hortas – “todas são de comunidades carentes e em situação de vulnerabilidade”, ressalta a empresária.

www.plant.eco.br

(Fonte: Sebrae)

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Últimas noticias

Semana Internacional do Café alcança 58 países em edição digital histórica

Com registro de 25 mil acessos até o dia 20 de...

Cemig SIM conclui aquisição de sete usinas solares

Empresa investiu quase R$ 55 milhões para deter 49% de participação...

Com tecnologia de ponta, STANLEY conta com linha de inversoras de solda

Modelo 61316. As máquinas entregam funções especiais em uma única máquina para...

Construtora do Paraná investe em tecnologia e inova ao vender pela internet

A Prestes Construtora e Incorporadora, com sede em Ponta Grossa, interior do...
Anterior
Próximo

Syngenta debate papel da indústria no aumento de produtividade da olericultura em live do Caminhos do Agro SP

Durante o evento, Francisco Sallit, Gerente Comercial da Unidade de Negócios...

Sobratema homenageia 19 marcas no Destaque Pós-Venda 2020

Apresentador Vagner Barbosa anunciou os homenageados do Destaque Pós-Venda Sobratema 2020 durante o Tendências no Mercado...

Mais Lidas

Você também pode gostar deRELATED
Recomendamos para você