A necessidade da rastreabilidade e o caderno de campo na cadeia de produção de frutas, verduras e legumes

*Por Bárbara Mangiaterra

As regulamentações sobre a rastreabilidade feitas pelo Ministério da Agricultura juntamente com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) chegaram em toda a cadeia produtiva brasileira e devem ser adotadas pelos produtores de hortifruti. Para o produtor a rastreabilidade é muito mais que uma simples etiqueta no produto. Ele deve registrar a aplicação de insumos em um caderno de campo. Essas informações devem ainda ser transferidas para os compradores, para que possam atender a legislação e fazer a gestão do fornecimento de forma segura, bem como serem mantidas por 18 meses segundo legislação federal.

Desta forma, o produtor garante que respeitou o período de carência, utilizou produtos registrados para a sua cultura, as doses corretas, entre outros detalhes e controles. No mesmo contexto, quem compra o hortifruti para revender tem as informações necessárias em caso de algum problema com resíduo de agrotóxico, já que também é responsável pelo produto que comercializa. Quanto a etiqueta que acompanha o produto, a legislação exige:

• identificação completa do produtor

• peso

• lote

• identificação completa do produto

Atualmente é muito importante conhecer a origem de tudo que consumimos, já que quem compra é o principal elo na tomada de decisão consciente sobre aquilo que deve ou não entrar na sua casa. Quando se trata de alimentos, isso é ainda mais relevante, é obrigação que a maçã está bonita, crocante e doce, mas não é menos importante o conhecimento sobre quem produziu, como é o trabalho no campo, as condições comerciais justas, e principalmente, se os defensivos foram aplicados de forma correta. Ou seja, o produto é saudável em todos os sentidos?

Para que essa pergunta seja respondida a cada compra, toda a cadeia de produção, embalagens, processamento e comercialização de frutas, verduras e legumes, precisam atender a legislação vigente sobre rastreabilidade e caderno de campo. Para o produtor rural não basta dizer para quem ele está enviando o produto e confirmar a sua origem, ele deve manter registros da aplicação de insumos agrícolas, principalmente agrotóxicos, e ser capaz de passar essa informação para os elos posteriores da cadeia agrícola, ou seja, quem compra, processa e vende as frutas, legumes e verduras.

Para concluir, quanto mais dados precisos forem gerados, principalmente quando a rastreabilidade e o caderno de campo são feitos por sistemas integrados, esses dados podem em muito contribuir com a gestão dos negócios no campo. A seguir uma tabela sobre o elo e o papel na cadeia de produção de alimentos, exemplos e a importância da rastreabilidade para cada um deles.

Elo da Cadeia de produção de alimentos

Papel na cadeia de produção de alimentos

Exemplo do que gera

Importância da Rastreabilidade

Produtor

Quem produz cada um dos hortifrutis

Maçã

Garantir que são utilizados somente insumos permitidos e na quantidade correta, respeitar o período de carência dos defensivos, comprovar que faz seu trabalho de forma correta e transparente. Manter os registros de colheita e destinação dos produtos.

Packing

Quem embala os hortifrutis vindos do campo

Caixa de Maçã

Conhecer e poder informar aos entes posteriores da cadeia sobre a origem do produto e insumos aplicados pelo produtor. Fazer a gestão adequada de seus fornecedores/produtores para garantir a qualidade e segurança do produto comercializado. Atender a legislação vigente e promover que os seus parceiros também o façam

Distribuidores

Quem vende os hortifrutis em atacado

Caixa de Maçã

Conhecer e poder informar aos entes posteriores da cadeia sobre a origem do produto e insumos aplicados pelo produtor. Fazer a gestão adequada de seus fornecedores/produtores para garantir a qualidade e segurança do produto comercializado. Atender a legislação vigente e promover que os seus parceiros também o façam

Supermercadistas e afins

Quem vende os hortifrutis no varejo

Maçã na banca a granel para escolha

Conhecer e poder informar aos entes posteriores da cadeia sobre a origem do produto e insumos aplicados pelo produtor. Fazer a gestão adequada de seus fornecedores/produtores para garantir a qualidade e segurança do produto comercializado. Atender a legislação vigente e promover que os seus parceiros também o façam

Indústria de Alimentos

Quem processa os hortifrutis como ingredientes ou como produto final

Geléia de maça

Conhecer e poder informar aos entes posteriores da cadeia sobre a origem do produto e insumos aplicados pelo produtor. Fazer a gestão adequada de seus fornecedores/produtores para garantir a qualidade e segurança do produto comercializado. Atender a legislação vigente e promover que os seus parceiros também o façam

Órgãos Regulatórios

Regulamentar a rastreabilidade e fiscalizar os entes da cadeia

Conhecimento da origem da maçã e insumos aplicados

alimentação segura para a sociedade

Consumidor

Quem de fato come o produto

Receitas com maçã ou in natura

Ter a certeza de que está consumindo um produto saudável

*Bárbara Mangiaterra é especialista em consultoria para agronegócio e CEO da CompartVeg, empresa que conta com uma equipe de especialistas em diferentes cidades que capacitam, fazem auditorias e promovem consultorias para pequenos, médios e grandes produtores.

(Fonte:Assessoria de imprensa)

Deixe seu comentario

Ultimas Noticias

Robson Rizzon é o novo Chief Commercial Officer da Orbia  A Orbia, plataforma digital que reúne soluções completas para o agronegócio, anuncia a chegada
Categorias

Fique por dentro das novidades

Inscreva-se para receber novidades em seu Email, fique tranquilo que não enviamos spam!

Deixe seu Email para acompanhar as novidades 

Solicitar maiores informações

Preencha as informações abaixo e entre em contato com o anúnciante!