Qualidade do tratamento de sementes forrageiras e sua influência na produtividade e lucratividade da pastagem

Qualidade do tratamento de sementes forrageiras e sua influência na produtividade e lucratividade da pastagem
Tratamento de Sementes Industrial (TSI)

Qualidade do tratamento de sementes forrageiras e sua influência na produtividade e lucratividade da pastagem

Especialista destaca cinco importantes dicas para uma escolha mais assertiva, ajudando agricultores e pecuaristas a não caírem em armadilhas

O mercado de sementes forrageiras tem avançado cada vez mais em trazer tecnologias para os produtores. Entre essas tecnologias, podemos destacar o Tratamento de Sementes Industrial (TSI), que consiste na aplicação e distribuição uniforme de inseticida e fungicidas pela superfície das sementes com alta pureza e a utilização de polímero e grafite, que melhoram significativamente o revestimento e a plantabilidade das sementes forrageiras. A SOESP Advanced, conta com tratamento TSI na dose certa, proporcionando resultados positivos na formação da pastagem.
Segundo a doutora em Zootecnia Marina Lima, técnica de sementes e sustentabilidade da SOESP – Sementes Oeste Paulista, o TSI promove diversos benefícios, como por exemplo: uniformidade no plantio, redução de hora-máquina, ampla proteção contra ataques de fungos e insetos, protegendo as plântulas durante o processo germinativo e alta pureza, livre de torrões, palha e plantas daninhas.
No entanto, se por um lado há no mercado empresas de confiança e certificadas como a SOESP, que além de se dedicarem arduamente por anos de pesquisas, seguindo rigorosos processos para entregar uma semente com alta qualidade, existem no mercado sementes sendo comercializadas fora dos padrões de comercialização exigidos pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Quando se fala em sementes com TSI, o que se tem observado é a presença de tratamentos pouco efetivos, como por exemplo, a base de calcário e gesso. “Este só agrega peso na semente e se rompe com facilidade no plantio, o que descredibiliza a indústria e passa uma imagem de ineficiência ao produtor”, destacou Marina.
E um dos principais fatores a serem avaliados durante a compra das sementes de pastagem, é a qualidade do TSI. A seguir, confira 5 dicas que devem ser levadas em consideração na hora de comprar sementes forrageiras.
Cinco dicas para escolher as melhores sementes para a sua pastagem
Tanto os produtores quanto os técnicos, precisam se atentar à importância de analisar alguns fatores na hora da aquisição de uma semente de pastagem. A primeira dica é a certificação, que dá mais segurança ao produtor. Atenção deve ser dada à origem das sementes, se a empresa é de confiança e certificada. Órgãos competentes, como o MAPA, são responsáveis por controlar o processo e assegura que a semente foi produzida dentro de parâmetros de qualidade, com alta pureza e viabilidade, além de não conter sementes de plantas daninhas, torrões e palha. “É uma segurança a mais”, destaca Marina.
As Sementes da SOESP, por exemplo, são as únicas forrageiras do mercado blindadas pela tecnologia Advanced, com valor cultural de 80%, tratadas com dois fungicidas e um inseticida que protegem as sementes contra o ataque de pragas e doenças desde o armazenamento até o início da germinação. Desta forma, são uniformes e mais resistentes, não rompendo o tratamento durante o plantio.
A segunda dica é ter conhecimento do Peso de Mil Sementes (PMS) da semente a ser adquirida. Essa informação é fornecida pelo representante de venda e também fica disponível no termo de conformidade que vai junto da nota fiscal no momento da compra. O PMS indica o peso de uma porção correspondente a 1000 sementes. Através do PMS é possível ver a qualidade das sementes que se pretende adquirir e identificar no momento das cotações quais sementes possuem maior quantidade de semente por grama, afetando diretamente a taxa de semeadura a ser utilizada na área. Quanto maior o PMS, mais elevada é a quantidade de tratamento na semente, e isso irá impactar em menor quantidade de sementes na embalagem e consequentemente precisará de uma recomendação superior por hectare. É importante destacar que cada cultivar de Brachiaria e Panicum tem o seu PMS e ele varia de safra para safra. “Para não cair em armadilhas a orientação é que o produtor exija o termo de conformidade na hora da compra para assim verificar os resultados das análises de PMS, pureza, viabilidade, verificação de espécie, valor cultural, para saber se está comprando semente de verdade, fique atento!”, reforçou a especialista. “Todos esses cuidados aliados aos cuidados com o preparo do solo e condições climáticas favoráveis, certamente vão fazer a diferença no resultado no campo”, completou a Zootecnista.
A terceira dica é se atentar a uniformidade do tratamento, ou seja, o tratamento deve ser homogêneo. Por exemplo, se a indústria fizer um tratamento muito grosseiro, irá dificultar o plantio, causando embuchamento das plantadeiras. “Um exemplo positivo é a tecnologia Advanced – apenas as sementes que passaram pelo processo de separação por peso, densidade, tamanho e cor podem ter esse selo. Graças ao seu tratamento exclusivo, as sementes da SOESP mantêm o tratamento uniforme que se encaixam em qualquer semeadora, sem causar problemas o entupimento do equipamento”, detalha a especialista.
A uniformidade está diretamente ligada à plantabilidade, que é a quarta dica. Sementes com tratamento uniforme se adaptam a qualquer plantio, seja este em linha, a vácuo, aéreo ou a lanço. O grafite presente na tecnologia Advanced da SOESP, por exemplo, também auxilia em maior plantabilidade, reduzindo a aderência nos maquinários e tempo gasto com o plantio.
A quinta dica, está relacionada a uma conta que o produtor não faz, que é o custo por hectare formado. “Muitas vezes ele olha apenas o preço do kg da semente, e não analisa o PMS e a recomendação (kg/ha)”, diz Marina. “Essas informações devem ser analisadas em conjunto, isso porque quanto maior o PMS, menor a quantidade de sementes na embalagem e com isso o produtor terá que jogar muito mais sementes, encarecendo o custo final”, finalizou.
Maiores informações: https://sementesoesp.com.br/

Deixe seu comentario

Ultimas Noticias

Ferrovia de MT é responsável por 62,1% do saldo de empregos em infraestrutura no estado no 1º tri de 2024
Ferrovia de MT é responsável por 62,1% do saldo de empregos em infraestrutura no estado no 1º tri de 2024 Ao todo, o saldo
Categorias

Fique por dentro das novidades

Inscreva-se para receber novidades em seu Email, fique tranquilo que não enviamos spam!

Deixe seu Email para acompanhar as novidades 

Solicitar maiores informações

Preencha as informações abaixo e entre em contato com o anúnciante!