Agropecuária sustentável é a grande aliada da preservação ambiental

Na data que se comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente o setor destaca-se no crescimento da produção sustentável nas últimas décadas.

Criado pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 15 de dezembro de 1972 durante a abertura da Conferência de Estocolmo, na Suécia, cujo tema central foi o Ambiente Humano, a data de 5 de junho passou a ser celebrado como Dia Mundial do Meio Ambiente. Todos os anos, nesse dia, diversas organizações da sociedade civil lançam manifestos e tomam medidas para relembrar o público geral da necessidade de preservação do meio ambiente.

O assunto tão discutido mundialmente também é de grande relevância no Brasil no que diz respeito principalmente à produção agropecuária, rotulada muitas vezes como extrativista. Entretanto, dados e números comprovam que os produtores rurais brasileiros juntamente com as empresas e indústrias têm nos últimos anos adotado diversas ferramentas e tecnologias para reduzir o impacto e os danos ambientais. Segundo dados do Ministério da Agricultura, em 40 anos, por exemplo, enquanto a área ocupada pela agricultura aumentou 33%, a produção cresceu em torno de 386%, isso graças a adoção de soluções de inovações e sustentabilidade.

Recentemente a Embrapa territorial apresentou números globais de preservação ambiental. O estudo comprova que o Brasil alcançou o status de líder mundial de produção e exportação de diversas produtos agrícolas preservando suas matas e florestas. Entre os dez países no mundo com mais de 2 milhões de quilômetros quadrados, o Brasil é o único que protege três vezes mais seu território natural. Ou seja, no total juntando áreas protegidas e preservadas somam-se 49,8% do Brasil, algo de cerca de 423.439.733 hectares o equivalente a 28 países da Europa.

O estudo da Embrapa territorial comprovou ainda que Brasil utiliza apenas 30% de suas terras para a produção agropecuária. Sendo que desse total, apenas 7,8% são ocupadas por lavouras, ou seja, onde são cultivadas toda a produção de soja, cana, milho, algodão, frutas e demais culturas.

Ferramenta eficiente

Todos estes resultados só foram possíveis graças à adoção de ferramentas eficientes, como por exemplo, a Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF).

A técnica é uma estratégia de produção que integra diferentes sistemas produtivos – agrícolas, pecuários e florestais – dentro de uma mesma área, proporcionando diversificação das atividades econômicas e minimizando os riscos de frustração de renda por eventos climáticos ou por condições de mercado.  “Além da questão econômica, a ILPF se apresenta como uma excelente estratégia para contribuir com a conservação do solo, melhorando sua fertilidade com a aplicação de técnicas e sistemas de plantio adequados para a otimização e a intensificação de seu uso”, destaca a engenheira agrônoma Andreza Cruz, técnica em sementes da Soesp – Sementes Oeste Paulista, empresa com sede em Presidente Prudente, interior de São Paulo.

A ILPF é um sistema de produção fundamentado no conceito da sustentabilidade.  Por meio da técnica, o Brasil, por exemplo, já conseguiu superar a meta estipulada voluntariamente dentro do Plano ABC (Agricultura de Baixa Emissão de Carbono), que era atingir 9 milhões de hectares cobertos com essa tecnologia até 2030. “A ILPF tem relação direta com a mitigação das emissões de gases causadores do efeito estufa. Assim a técnica, faz com que esse sistema seja essencial para o futuro da atividade agrícola — quando a busca pela diminuição de emissões de carbono será constante”, destaca a agrônoma.

Além disso, os preceitos conservacionistas da ILPF, como o plantio direto na palha, a rotação de culturas e a recuperação de pastagens, contribuem com a maior eficiência produtiva e aumento da matéria orgânica no solo. “Com isso, a ILPF possibilita que a atividade seja otimizada e tenha maior dinamização de toda a produção, diminuindo a necessidade de abertura de novas áreas e aumentando a retenção do carbono em árvores e pastagens bem manejadas”, cita Andreza.

Concluindo, todas essas práticas irão fazer com que o produtor tenha mais rentabilidade no seu negócio, e condições econômicas paracumprir as leis ambientais, liberando áreas de conservação. Essas áreas conservadas trarão retorno com a fixação de carbono, aumento da atividade biológica, mais infiltração de água, recuperação de nascentes, entre outros benefícios tanto para o produtor, quanto para a sociedade.

Soluções integradas a ILPF

Para ajudar o produtor a ser mais eficiente na ILPF reduzindo os impactos ambientais, a Soesp oferece a tecnologia exclusiva Advanced, presente nas sementes forrageiras comercializadas pela empresa. Essa solução é de grande eficiência e tem facilidade comprovada no plantio em qualquer maquinário do mercado. A tecnologia ainda viabiliza qualquer forma de consórcio de forrageiras com culturas anuais ou rotações de culturas, diminuindo custos de implantação, aumentando a uniformidade e, portanto, eficiência do sistema.

A tecnologia da Soesp Advanced tem também como diferencial sua uniformidade e tratamento, garantindo maior rendimento no plantio. Isso porque haverá menos ataque de fungos, formigas e pássaros, portanto, mais sementes no solo. “É importante salientar que as sementes são tratadas industrialmente com fungicida e inseticida, isso garante a dose exata destes produtos e evita a manipulação de produtos químicos na propriedade”, finaliza a técnica em sementes da Soesp.

(Fonte:Assessoria de imprensa)

Deixe seu comentario

Ultimas Noticias

Região do Cerrado Mineiro participa do World of Coffee 2024 em Copenhague
Região do Cerrado Mineiro participa do World of Coffee 2024 em Copenhague A Região do Cerrado Mineiro (RCM), reconhecida internacionalmente pela produção de cafés
Categorias

Fique por dentro das novidades

Inscreva-se para receber novidades em seu Email, fique tranquilo que não enviamos spam!

Deixe seu Email para acompanhar as novidades 

Solicitar maiores informações

Preencha as informações abaixo e entre em contato com o anúnciante!