Brado aumenta a movimentação de algodão por ferrovia para o Porto de Santos (SP)

No primeiro trimestre deste ano, a Companhia transportou 200% a mais de contêineres ante o mesmo período de 2019.

A operação de transporte de pluma e caroço de algodão por ferrovia em contêineres segue em crescimento na Brado. De agosto de 2019 a abril deste ano, a Companhia já movimentou 10.500 TEUs entre o seu terminal de Rondonópolis (MT) e o Porto de Santos (SP), onde o produto é entregue para exportação. O pico foi no primeiro trimestre de 2020, quando o volume foi 200% maior em relação ao mesmo período do ano passado.

A empresa atende 16 clientes desse segmento, de produtores a tradings, que decidiram adotar a multimodalidade no lugar de modelos tradicionais de logística, como o rodoviário. “A escolha pela multimodalidade é a mais competitiva para o mercado. E desde 2018 o setor produtivo de algodão só vem aumentando seus volumes”, fala Douglas Goetten, diretor comercial da Companhia.

Além de vantagens como a previsibilidade de entrega, a Brado conta com muitos diferenciais em seu atendimento. “Nosso processo de limpeza dos armazéns e o investimento em maquinário foram fundamentais. Com o caroço de algodão, por exemplo, utilizamos um tombador e esteira que garantem qualidade máxima na estufagem dos contêineres. Para operar com a pluma de algodão, todo o maquinário foi renovado e priorizamos a limpeza e segurança do armazém de movimentação. Toda essa estrutura previne qualquer tipo de contaminação durante a manipulação e o transporte do produto”, diz Vinicius Cordeiro, gerente executivo comercial de Exportação da Companhia.

Outro grande destaque na solução é a gestão de prevenção contra roubos e acidentes. De agosto do ano passado a abril de 2020, nosso índice de segurança foi de 100% para os nossos clientes que usaram o modal ferroviário. Para manter essa excelência, empregamos uma estrutura tática que garante o alto padrão dessa solução.

No Mato Grosso, os clientes atuam principalmente nas regiões Oeste e Central do estado. O caroço e a pluma de algodão chegam ao terminal da Brado por caminhão, em trechos que abrangem distâncias entre 150 e 600 quilômetros. Ao receber a carga, a Companhia faz o inventário dos produtos, realiza a estufagem e fumigação dos contêineres, articula a vistoria técnica do Ministério da Agricultura e, em seguida, realiza o transporte ferroviário. Com todos os procedimentos feitos antes da ferrovia, a carga chega pronta para o embarque nos terminais de Santos. De Rondonópolis a Santos, o algodão é movimentado por 1.500 quilômetros de via férrea.

“Em nosso processo, o transporte do algodão é feito 15% no modal rodoviário e 75% no ferroviário. Desta forma, além do custo logístico competitivo para o segmento, isso gera uma grande redução de emissão de CO2, e uma alta prevenção de acidentes não só para os nossos clientes, mas para toda a sociedade”, finaliza Vinicius Cordeiro.

(Fonte:Assessoria de imprensa)

Deixe seu comentario

Ultimas Noticias

ACCIONA Brasil celebra ação global de voluntariado com foco em sustentabilidade Os voluntários da empresa promoveram atividades lúdicas para 460 estudantes dos bairros da
Categorias

Fique por dentro das novidades

Inscreva-se para receber novidades em seu Email, fique tranquilo que não enviamos spam!

Deixe seu Email para acompanhar as novidades 

Solicitar maiores informações

Preencha as informações abaixo e entre em contato com o anúnciante!