Brasil precisa construir alianças internacionais para criar marcos regulatórios…

Brasil precisa construir alianças internacionais para criar marcos regulatórios globais que beneficiem a transição para economia verde

Brasil precisa construir alianças internacionais para criar marcos regulatórios globais que beneficiem a transição para economia verde

Brasil precisa construir alianças internacionais para criar marcos regulatórios globais que beneficiem a transição para economia verde

Os marcos regulatórios externos são influenciados pelas mudanças geopolíticas, com ideias unilateralistas, protecionistas e nacionalistas, e o enfraquecimento do multilateralismo, mas também por outros fatores, como preferências do consumidor, questões climáticas, de biodiversidade, desflorestamento e ideologias políticas. “O Brasil precisa ser estratégico, desenvolvendo uma agenda positiva e proativa, e apresentando propostas com fundamentação científica, apoiadas por uma massa crítica, por meio de alianças com outros países”, avaliou o embaixador Roberto Azevêdo, ex-diretor-geral da OMC (Organização Mundial do Comércio) durante o webinar ABAGTALKS – Agronegócio e Geopolítica: o papel do Brasil frente às novas regulamentações estrangeiras, promovido pela ABAG (Associação Brasileira do Agronegócio), nesta terça-feira, dia 7 de maio.
De acordo com Azevêdo, para encontrar soluções diante da fragmentação devido à polarização de países, não é possível esperar por organismos internacionais, que estão enfraquecidos e não possuem agilidade suficiente para essa discussão. Desse modo, países precisam tomar a dianteira, especialmente, o Brasil, que possui capacidade e influência quando se trata do agronegócio. “Todos nós precisamos participar e o setor privado é a mola propulsora, com um impacto importante para que o setor público possa entender o que realmente está acontecendo. Por isso, precisa haver uma articulação entre ambos”, observou.
O trabalho de articulação promovido pelo Brasil exigirá tempo, pois será preciso formar alianças estratégicas nos mais diversos blocos, segundo Azevêdo. “No caso da segurança alimentar, os Estados Unidos podem ser um grande aliado, porque precisam enfrentar regulamentos protecionistas sem base científica. Ou seja, mesmo que os problemas não sejam idênticos, é possível encontrar temas para cooperação”, exemplificou o embaixador, que acrescentou que o Mercosul pode criar foros internacionais, junto a outros parceiros, a fim de ajudar no desenvolvimento de uma agenda internacional, com fundamentação científica, para assegurar credibilidade e para mostrar que a realidade de cada país é distinta.
Para Caio Carvalho (presidente da ABAG), o unilateralismo tem trazido desconfianças que aumentam o processo de fragmentação e de imprevisibilidade. “As reuniões sobre os marcos regulatórios externos nos mostram que não há um interesse global, o que aumenta ainda mais a crise de confiança existente”, pontuou. Corroborando com as ponderações de Azevêdo, Carvalho avaliou que é preciso estabelecer uma geopolítica de interesse global, com mercados abertos, baseada em ciência e em métricas, favorecendo o diálogo e confiança, por meio de ações proativas. “Precisamos estar à frente, liderar a narrativa, por meio de uma integração entre os setores público e privado, a fim de incluir marcos regulatórios que aceleram a transição para uma economia verde, com benefícios para os agentes do agronegócio e para a sociedade”.
Mediado por Ingo Ploger, vice-presidente da ABAG, o webinar contou com a participação de Renata Miranda (secretária de Inovação, Desenvolvimento Sustentável, Irrigação e Cooperativismo do Ministério da Agricultura e Pecuária), que destacou o compromisso da agricultura brasileira com a sustentabilidade. “Nosso país pode ocupar seu lugar de protagonismo ao compreender o cenário geopolítica e ao estabelecer políticas estruturantes de desenvolvimento sustentável – nos pilares econômico, social e ambiental –, reconhecendo essas novos modelos de negócios existentes”. Ela citou ainda a importância do cooperativismo e do associativismo ao respeitar o caráter setorial e regional, as condições e variáveis dos biomas, a história e a cultura local e dos povos originários para a transição tecnológica, reduzindo custos e ampliando a competividade de pequenos e médios produtores rurais.
Outro ponto trazido por ela foi a questão do carbono na agricultura. “Nosso setor trabalha no paradoxo mágico, pois é a única que captura carbono da atmosfera e o transforma em alimento, fibra e energia. Por isso, é injusto que inclua a agricultura na contagem das emissões globais. Defendemos, portanto, as emissões líquidas, já que o agro emite enquanto captura e remove carbono”, destacou Renata, que afirmou ainda a importância do investimento em ciência para realizar a mensuração do carbono no solo, que é o que caracteriza a agricultura.
Durante o Webinar, Marcelo Regunaga (coordenador-geral do Grupo de Países Produtores do Sul – GPS, rede formada por instituições particulares e especialistas no agronegócio de Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai), salientou o potencial alimentar e ambiental dos quatro países. “Somos atores-chave nessas questões, por isso podemos liderar as soluções globais voltadas aos temas, uma vez que, lamentavelmente, as organizações mundiais não estão atuando de forma eficaz neste momento. Mas, precisamos avançar no trabalho em conjunto com nossos governos para entender nossa realidade, aperfeiçoar o que for possível e trabalhar para levar nosso posicionamento como um bloco para o mundo”.
Na análise de Regunaga, o agronegócio da região é precursor na implementação dos sistemas sustentáveis, como o plantio direto, o uso da biotecnologia para redução na aplicação dos agroquímicos, entre outros, com métricas e diagnósticos. “Precisamos mostrar ao resto do mundo que somos parte da solução não apenas em resolver a segurança alimentar, também a transição energética, pela diversidade de nossa região. Nesse sentido, é preciso respeitar a realidade de cada país. As restrições unilaterais sem base científica não são boas, o que significa que precisamos recuperar a governança global, por meio de uma ação conjunta entre o ente público e o setor privado”.

 

 

Deixe seu comentario

Ultimas Noticias

Case de sustentabilidade no Brasil: Logística reversa do óleo lubrificante usado evita a contaminação de 89 mil "Lagoas Rodrigo de Freitas"
Case de sustentabilidade no Brasil: Logística reversa do óleo lubrificante usado evita a contaminação de 89 mil “Lagoas Rodrigo de Freitas” Em 2023, foram
Categorias

Fique por dentro das novidades

Inscreva-se para receber novidades em seu Email, fique tranquilo que não enviamos spam!

Deixe seu Email para acompanhar as novidades 

Solicitar maiores informações

Preencha as informações abaixo e entre em contato com o anúnciante!