Condições climáticas causam retração na projeção da safra de trigo em São Paulo

 

Condições climáticas causam retração na projeção da safra de trigo em São PauloCondições climáticas causam retração na projeção da safra de trigo em São Paulo

Safra paulista deve ficar em torno de 300 mil toneladas devido ao excesso de calor e falta de chuvas nas terras paulistas

Em decorrência do clima quente e seco – na contramão do esperado para o período do ano – as expectativas para a próxima safra paulista de trigo são de retração. Segundo informações apresentadas na manhã de 20 de junho, durante a reunião da Câmara Setorial do Trigo de São Paulo, em Capão Bonito (SP), a produção regional exigirá resiliência do produtor.

Condições climáticas causam retração na projeção da safra de trigo em São Paulo

Reunião foi realizada na última quinta-feira, em Capão Bonito (SP) baixar em alta

De acordo com o presidente da Câmara, Nelson Montagna, o cenário representa um quadro claro e direto sobre os próximos meses: “Na última reunião já havíamos pensado em uma safra menor e ela está se confirmando, ou seja, daqui para frente o maior problema, tanto para a produção quanto para a indústria, é saber o que será colhido em termos de quantidade e qualidade do cereal”.

Ao que se refere ao clima, o ano de 2024 já registrou um aumento de 2,52°C acima da média de 2023 – que esteve no limite considerado seguro para o plantio. Essa mudança de temperatura, como frisou o representante da Castrolanda, Júlio Antunes, tem gerado inúmeras consequências durante o processo produtivo do trigo.

“As chuvas até começaram no momento certo do início do plantio, no entanto, em contrapartida, as temperaturas elevadas causaram um considerável déficit hídrico. Essa situação possibilitou um aumento de Brusone nas folhas, assim como um maior acometimento por lagartas e o encurtamento de ciclos com baixo perfilhamentos nas lavouras”, explicou o profissional, ao relembrar que, a identificação de Brusone nas folhas é um termômetro de que as condições climáticas podem favorecer um avanço da doença que, ao chegar na espiga, pode causar danos irreversíveis.

Condições climáticas causam retração na projeção da safra de trigo em São Paulo

Sendo assim, os principais desafios para o produtor estão relacionados às baixas perspectivas em produtividade e qualidade. “O trigo é uma cultura interessante em questão de rotação e estruturação de solo, mas precisa ser rentável, se não o produtor não se sente estimulado e entre outras opções de cultivo, ele pode ficar de escanteio”, destacou o representante da Cooperativa Agrícola de Capão Bonito, Nélio Uemura.

Produção no Brasil e no mundo

Ao analisar o atual posicionamento brasileiro na cadeia global do trigo, o representante da Aliança Agrícola, Douglas Araujo, pondera que o produto brasileiro, graças ao teor proteico, é muito bem-visto pelo demais compradores. Entre os clientes, constam países como Equador, Venezuela, Tailândia, Vietnã e Filipinas.

“O quadro de oferta e demanda do mercado nacional nos indica que o Brasil continuará sendo um forte importador de trigo, na ordem de 6 a 7 milhões de toneladas, mas também mostrará um expressivo potencial de exportação, com estimativa de embarque de 1,5 milhão de toneladas na próxima safra, principalmente por meio do Rio Grande do Sul – mesmo com uma produção menor”, explica Araujo.

Em relação aos principais mercados de trigo no mundo, o representante da Aliança Global também mostrou que o ano safra passará por um grande dilema: o consumo tende ser maior que a produção.

“Nas perspectivas atuais, os estoques mundiais continuam em queda, com uma maior concentração na China. O que nos faz pensar como alguns países dependentes de importações, como o Brasil, irão lidar com a situação de segurança alimentar”, ponderou.

A China, por exemplo, aprovou a compra do trigo argentino, já a Índia, tem recuperado estoques, mas os preços domésticos continuam pressionados, com forte intervenção estatal na comercialização do produto. A Europa tem apresentado uma produção abaixo dos anos anteriores, cenário atrelado ao alto índice de chuvas na França, o menor preço global do trigo pela Ucrânia e a entrada da Rússia na lista de sanção, o que dificulta o câmbio e o uso de instrumentos financeiros. A Romênia, em contrapartida, tem apresentado preços bem competitivos.

Os Estados Unidos já colheram 27% do trigo de inverno, com condições elevadas e a produção da primavera tem apresentado bom desempenho. As vendas do país se mostram aceleradas e competitivas para a 2024/25. Assim como a Austrália, com potencial incremento da produção, mediante ao clima positivo, similar ao da Argentina, e uma expressiva vantagem de vendas para o sudeste asiático por conta da proximidade geográfica.

Por fim, a Argentina tem como estimativa de plantio 6,92 milhões de hectares – superfície 25% maior que no ano anterior, com destaque para o crescimento na chamada região núcleo: as províncias de Buenos Aires (+18%), Córdoba (+30%) e Santa Fé (+25%).

“O país é o nosso principal fornecedor de trigo e conta com um plantio com alto em fertilizantes e insumos. Em condições adequadas de clima, é esperado uma colheita superior a 21 milhões de toneladas, muito acima as 15 milhões obtidas na última safra”, destaca Araújo.

 

Deixe seu comentario

Ultimas Noticias

Scania Cotrasa inaugura nova concessionária Instalação amplia o apoio aos clientes de caminhões, ônibus e motores na região da Tríplice Fronteira, no Paraná A
Categorias

Fique por dentro das novidades

Inscreva-se para receber novidades em seu Email, fique tranquilo que não enviamos spam!

Deixe seu Email para acompanhar as novidades 

Solicitar maiores informações

Preencha as informações abaixo e entre em contato com o anúnciante!