Pesquisar
Close this search box.

Desafios para o agro brasileiro pós-COP 28

Desafios para o agro brasileiro pós-COP 28

Por Cristiano Pinchetti, CEO Latam da Indigo Ag*

Desafios para o agro brasileiro pós-COP 28

País deve se preparar para assumir protagonismo na produção global de alimentos com mais sustentabilidade

Com tecnologia, Brasil pode aumentar a produção sem crescer em área plantada, com mais lucratividade e benefícios a produtores, sociedade e meio ambiente.

Com a conclusão, em Dubai, de mais um encontro anual da Cúpula do Clima das Nações Unidas (COP-28), o Brasil fecha o ano com muitas aspirações e afazeres cruciais no cenário agrícola. Diante das metas globais de sustentabilidade delineadas durante as intensas discussões, é evidente que a agricultura brasileira precisa se adaptar e inovar para assumir o protagonismo que almeja – e que tem plenas condições de alcançar. Enfrentar desafios como a redução das emissões de carbono, a preservação da biodiversidade e o manejo sustentável dos recursos naturais tornou-se imperativo. Neste contexto, torna-se crucial uma abordagem proativa, com investimentos e fomento ao acesso a tecnologias e práticas que não atendam apenas às expectativas internacionais, mas também posicionem o Brasil como um líder na produção global de alimentos sustentáveis.

Em todo o mundo, mercados estabelecem critérios mais rigorosos à importação de alimentos, ao mesmo tempo em que consumidores se posicionam cada vez mais interessados em transparência e proteção em relação aos produtos que consomem. E eles estão dispostos a pagar um prêmio por produtos mais seguros e oriundos de uma agricultura de baixo impacto ambiental e forte apelo social. Neste cenário, o grande estímulo que o Brasil e as empresas que atuam no segmento agro podem dar à agenda ambiental será baseado em soluções atreladas a uma melhor rentabilidade ao produtor com a adoção de práticas mais sustentáveis.

A sustentabilidade na agricultura não é mais uma opção – é uma necessidade. Em um mundo com recursos escassos e uma população que continua a crescer, é imperativo que desenvolvamos novas maneiras de cultivar alimentos de maneira eficiente, responsável e – importante destacar – lucrativa. Podemos, sim, aumentar a produção sem ampliar o tamanho da área plantada, como já temos feito, além disso com mais rentabilidade e beneficiando produtores, sociedade e meio ambiente.

O avanço da biotecnologia traz ao campo insumos biológicos de alta performance, com grandes benefícios adicionais em defesa e nutrição das lavouras, além de saúde e fertilidade dos solos. Ano a ano, a adoção destes produtos cresce em ritmo mais acelerado do que o mercado de insumos químicos tradicionais, revolucionando a forma como cultivamos e tornando as plantas mais saudáveis e resistentes a variações climáticas, doenças e pragas.

O desenvolvimento de defensivos biológicos com alta tecnologia de formulação puxou um crescimento de 75% desse mercado no país nos últimos dois anos, saltando de um faturamento de R$ 946 milhões em 2019 para R$ 1,79 bi em 2021, segundo a consultoria Blink. E de acordo com estudo da IHS Markit, a projeção é que em 2030 o setor alcance R$ 16,9 bilhões.

Aliada aos bioestimulantes e biofertilizantes, a bioinformática e tecnologia da informação ampliam ainda mais o crescimento sustentável no campo. Através de sistemas de gestão inteligente, monitoramento remoto e análise de dados, por exemplo, podemos também alcançar eficiência nos processos, reduzindo desperdícios e otimizando recursos. A experiência já prova que podemos nos destacar com uma agricultura de maior rendimento, com menos insumos químicos, melhor qualidade dos biomas, aproveitamento de água e real contribuição ambiental.

É preciso destacar, novamente, que todos estes avanços necessários só encontrarão solo fértil se, de fato, representarem maior rentabilidade aos agricultores, reconhecendo o papel crucial que desempenham na manutenção de um planeta saudável. O pilar econômico precisa ser robusto para que o ambiental e o social se mantenham igualmente firmes.

A perspectiva de um mercado latente em torno dos créditos de carbono abre também uma nova dimensão para investimentos em uma produção agrícola pautada pelo meio ambiente. E não estamos aqui falando em transformar lavouras em florestas para gerar créditos de carbono, mas em oferecer meios para que o produtor seja incentivado e remunerado por uma produção agrícola que se destaque no mercado através da diferenciação, rastreabilidade, substituindo um portfólio de commodities por produtos de valor agregado que reflitam um compromisso real com a sustentabilidade.

Para alcançar todas aquelas metas lembradas ao longo dos últimos dias na COP-28, e atingir assim o protagonismo que almeja, o Brasil precisará contar com um esforço conjunto. Desde os produtores aos consumidores, todos teremos um papel a desempenhar. Ao tornar a cadeia de produção mais transparente e ao garantir que os produtores sejam justamente remunerados, podemos incentivar práticas mais sustentáveis. Estamos convencidos de que a sustentabilidade é um valor imprescindível para a agricultura e estamos empolgados com as oportunidades que isso representa.

*Cristiano Pinchetti é administrador formado na FAAP, com pós-graduação na FEA-USP. Sua carreira inclui passagens por Citibank e Monsanto. Com vivência profissional no Brasil, Europa e EUA, Pinchetti desenvolveu robustez em gestão financeira em cenários de crise, como na Nextel. Na companhia alemã Helm, adquiriu perspectiva única sobre empresas familiares de capital fechado. Chegou à Indigo como CFO Latam e hoje atua como CEO Brasil e Latam.

Sobre Indigo Ag

A Indigo Ag é líder inovadora e parceira confiável em agricultura sustentável, aproveitando de forma única a ciência e a tecnologia para transformar a sustentabilidade em valor para agricultores, agronegócios e corporações. A plataforma de negócios integrada da Indigo permite que cada participante da cadeia de fornecimento agrícola adote e lucre simultaneamente com seus esforços de sustentabilidade. Especificamente, os agricultores que trabalham com a Indigo podem maximizar o seu lucro a partir de práticas de sustentabilidade novas e existentes em cada campo, em cada ano da sua rotação, ao mesmo tempo que melhoram a qualidade do solo. A Indigo é atualmente a única empresa que oferece às empresas créditos de carbono de alta qualidade e reduções de emissões de escopo 3 em grande escala.

Fundada em 2013, a Indigo Ag está criando um mundo com agricultores mais lucrativos e empresas mais sustentáveis. Operando em 14 países, a empresa está cumprindo a sua missão de aproveitar a natureza para ajudar os agricultores a alimentar o planeta de forma sustentável.

Sobre a Indigo LATAM 

A Indigo chegou na Argentina em 2017 e no Brasil em 2018. Em 2020, a empresa decidiu unificar as operações cujas geografias são aquelas onde a oferta biológica da empresa possuem a maior penetração de mercado. A Indigo LATAM tem peso significativo no faturamento mundial da startup com biológicos e seus produtos estão presentes em mais de um milhão de hectares espalhados pelos dois países.   A principal solução da empresa, disponível em ambos os territórios, é o Indigo Ag Finance, uma ferramenta para simplificar o acesso ao crédito para o produtor rural, que o permite financiar suas sementes, biológicos e até o fertilizante, pagando apenas no prazo safra. O Indigo Ag Finance foi o primeiro produto estruturado e lançado fora da matriz nos Estados Unidos. Mais informações no portal da Indigo.

 

Deixe seu comentario

Ultimas Noticias

Klüber Lubrication está entre as principais empresas de inovação aberta no país Empresa do Grupo Freudenberg foi reconhecida no Top 4 na categoria Química
Categorias

Fique por dentro das novidades

Inscreva-se para receber novidades em seu Email, fique tranquilo que não enviamos spam!

Deixe seu Email para acompanhar as novidades 

Solicitar maiores informações

Preencha as informações abaixo e entre em contato com o anúnciante!