Embrapa apresenta parceria inovadora que estuda bacias hidrográficas brasileiras

Embrapa apresenta parceria inovadora que estuda bacias hidrográficas brasileirasEmbrapa apresenta parceria inovadora que estuda bacias hidrográficas brasileiras

Embrapa apresenta parceria inovadora que estuda bacias hidrográficas brasileiras

Embrapa, Itaipu Binacional, Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IAPAR-EMATER/IDR-Paraná) e Fundação de Apoio à Pesquisa e ao Desenvolvimento (FAPED) firmaram uma parceria estratégica para a preservação e recuperação das bacias hidrográficas no Brasil, o projeto “Ação Integrada de Solo e Água (AISA)”. Este projeto visa integrar conhecimentos científicos e tecnologias avançadas para promover a sustentabilidade e a conservação dos recursos hídricos nacionais.

A equipe do projeto, do qual fazem parte os pesquisadores da Embrapa Agropecuária Oeste, Júlio Cesar Salton, e da Embrapa Solos, Luís Carlos Hernani – este, coordenador do projeto em MS –, explica que a colaboração entre as instituições busca desenvolver práticas agrícolas e ambientais que possam reduzir o impacto das atividades humanas sobre as bacias hidrográficas. “O objetivo é garantir a qualidade da água e a biodiversidade local”, dizem. Também fazem parte da equipe colaboradores de mais 22 instituições de ensino e pesquisa brasileiras, como, a Universidade de São Paulo, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (USP/ESALQ).

O projeto abrange os temas de solos, agrometeorologia, sistemas produtivos sustentáveis na agropecuária, hidrossedimentologia e hidrogeoquímica de bacias hidrográficas nacionais. As pesquisas possuem diversas ações, incluindo o monitoramento da qualidade da água, a implementação de técnicas de manejo do solo e a recuperação de áreas degradadas. “Juntas, as instituições pretendem criar um modelo de gestão sustentável que possa ser replicado em outras regiões do Brasil, promovendo a conscientização e o engajamento das comunidades locais na preservação dos recursos naturais”, diz o pesquisador Salton.

Salton explica que, quando ocorrem chuvas intensas ou mesmo a longo prazo, em áreas em que os sistemas de produção agropecuários não são realizados com as estratégias de manejo sustentáveis, podem ser gerados volumes significativos de escoamento superficial. Como consequência, há a degradação da estrutura do solo e a redução da capacidade de infiltração do solo. “Em casos em que a degradação do solo na bacia hidrográfica é maior, podem acontecer picos de vazão, de fluxo e transporte de sedimentos para os rios, no período das chuvas, sucedidos por uma redução drástica das vazões, nos períodos de seca”.

A ideia do projeto é estudar os solos e o seu comportamento para que seja possível melhorar o cálculo do volume de água que chega no reservatório da Itaipu após a ocorrência de uma chuva. Com esse conhecimento pode-se tomar medidas preventivas, trazendo vantagens para a Itaipu e para toda a sociedade que depende do manejo e da conservação do solo e da água”, explica Hudson Lissoni Leonardo, da Divisão de Apoio Operacional da Itaipu Binacional.

“Compreender o solo e seu comportamento é essencial não apenas para a agricultura sustentável e livre de erosão, mas também para a produção de energia elétrica. As águas dos reservatórios dependem do cuidado com toda a área das bacias contribuintes”, explica o coordenador do projeto e pesquisador da Embrapa Solos (Rio de Janeiro/RJ), Luis Carlos Hernani.

Crédito: Lilian Alves

Unidades da Embrapa

Cinco Unidades da Embrapa, localizadas em diferentes cidades, participam dessa ação: Agropecuária Oeste (Dourados/MS), Florestas (Colombo/PR), Gado de Corte (Campo Grande/MS), Soja (Londrina/PR) e Solos (Rio de Janeiro/RJ), sendo cada uma delas responsável por uma atividade do projeto. O projeto está estruturado em 13 portfólios de pesquisa.

Colaboradores Externos do AISA

● Instituto Federal do Paraná (IFPR);

● Universidade Federal de Santa Maria (UFSM);

● Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ);

● Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ);

● Universidade Federal de Santa Catarina

● Universidade de São Paulo, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (USP/ESALQ) e Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA);

● Universidade Estadual de Maringá (UEM);

● Universidade Federal do Paraná (UFPR);

● Universidade Estadual do Oeste do Parana (UNIOESTE);

● Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) e Instituto Federal do Mato Grosso do Sul (IFMS);

● Universidade de Minnesota, USA;

● Rutgers, The State University of New Jersey, USA;

● Semagro (MS);

● Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR);

● Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores Familiares do Estado do Paraná (FETAEP);

● Fundação Parque Tecnológico ITAIPU (FPTI);

● Rede de Agropesuisa Paraná;

● Associação PAranaense de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa (APCBRH)

● Cooperativas Agroindustriais;

● Municípios do território do projeto.

Contatos da assessoria

Sílvia Zoche Borges (DRT-MG 08223)

Christiane Congro Comas (MTb: 825/9 (SC))

Embrapa Agropecuária Oeste

agropecuaria-oeste.imprensa@embrapa.br

 

Deixe seu comentario

Ultimas Noticias

Ferrovia de MT é responsável por 62,1% do saldo de empregos em infraestrutura no estado no 1º tri de 2024
Ferrovia de MT é responsável por 62,1% do saldo de empregos em infraestrutura no estado no 1º tri de 2024 Ao todo, o saldo
Categorias

Fique por dentro das novidades

Inscreva-se para receber novidades em seu Email, fique tranquilo que não enviamos spam!

Deixe seu Email para acompanhar as novidades 

Solicitar maiores informações

Preencha as informações abaixo e entre em contato com o anúnciante!