Tecnologia da Honeywell ajuda a produzir SAF com menores custo e desperdício

Tecnologia da Honeywell ajuda a produzir SAF com menores custo e desperdício

Nova solução da companhia foi criada para ajudar a atender à crescente demanda por combustível de aviação renovável; DG Fuels, dos Estados Unidos, será a primeira empresa a usar a Fischer-Tropsch (FT) UnicrackingTM em sua planta

 A Honeywell (Nasdaq: HON) acaba de anunciar que sua tecnologia de hidrocarbonetos pode ser usada para produzir combustível de aviação sustentável (SAF, na sigla em inglês) a partir de biomassa, ajudando a criar SAF, que é 90% menos intensivo em carbono do que os tradicionais combustíveis de jato à base de fósseis¹.

A nova tecnologia produz de 3 a 5%²,³ mais combustível, possibilitando a redução de custos de até 20%³4,além da diminuição dos fluxos de resíduos dos subprodutos, em comparação com outras tecnologias de hidro processamento comumente usadas.

Tecnologia da Honeywell ajuda a produzir SAF com menores custo e desperdício

 

A tecnologia de Unicracking™ Fischer-Tropsch (FT) da Honeywell utiliza líquidos e ceras de biomassa processada – incluindo sobras de colheitas, resíduos de madeira ou restos de alimentos – e pode ser usada para produzir SAF em conformidade com os rigorosos padrões da indústria da aviação, tendo menor impacto ambiental. Esta inovação demonstra a sintonia da companhia com seu portfólio com três megatendências, incluindo a transição energética.

“À medida em que a demanda por SAF continua a crescer, a indústria da aviação enfrenta o desafio de suprimentos limitados de matérias-primas tradicionais para a produção do combustível, como óleos vegetais, gorduras animais e óleos residuais”, disse José Fernandes, Pesidente da Honeywell para a América Latina e vice-presidente da área de Soluções de Energia e Sustentabilidade. “Quando combinada com o processo de Fischer-Tropsch existente, nossa nova tecnologia expandirá as opções disponíveis na indústria para fontes mais abundantes, melhorando, em última análise, a capacidade de nossos clientes de produção.”

Recentemente, a DG Fuels selecionou essa tecnologia para sua planta de fabricação de biocombustíveis em Louisiana, nos Estados Unidos – a maior do mundo para produção de SAF a partir do processo FT – que produzirá 13 mil barris deste combustível por dia, quando começar a operar em 2028.

“Usando a tecnologia avançada da Honeywell, forneceremos combustível suficiente para mais de 30 mil voos transatlânticos a cada ano, contribuindo significativamente para a redução das emissões de carbono das viagens aéreas globais”, disse Michael Darcy, CEO da DG Fuels. “Este é um grande avanço no apoio ao objetivo da indústria aérea de alcançar emissões líquidas zero de carbono da aviação internacional até 2050.”

A Honeywell tem contribuído pioneiramente com a produção de SAF, por meio do seu processo Ecofining™, que está sendo utilizado comercialmente para produzir o combustível desde 2016. A empresa agora oferece soluções em uma variedade de matérias-primas para atender à demanda crescente por combustíveis renováveis, incluindo o SAF. Além do Unicracking e Ecofining da Honeywell, o portfólio de combustíveis renováveis da Honeywell inclui a tecnologia Ethanol to Jet e a eFining™, que converte hidrogênio verde e dióxido de carbono em e-combustíveis.

Mais de 50 plantas em todo o mundo licenciaram as tecnologias de SAF da Honeywell, com refinarias projetadas para exceder uma capacidade combinada de mais de 500.000 barris de SAF por dia quando estiverem totalmente operacionais.

¹ A intensidade de carbono baseia-se nos valores padrão de emissões do ciclo de vida do CORSIA da ICAO para combustíveis elegíveis para o CORSIA, Tabela 1 – resíduos agrícolas e resíduos florestais. Combustíveis elegíveis Corsia – Metodologia de avaliação do ciclo de vida – Versão 5 de junho de 2022.

² Utilizando catalisadores de hidro craqueamento e hidro isomerização exclusivos SAF Honeywell UOP seletivos.

³ Utilizando uma configuração de processo com patente pendente da Honeywell.

4 Baseado na análise interna de custo UOP (Estimated Erected Cost) que compara uma configuração típica com a configuração com patente pendente

Visite: www.honeywell.com/newsroom

Deixe seu comentario

Ultimas Noticias

Asfalto novo ou o chamado remendo? Especialista fala das opções Rachaduras, buracos, prejuízos, pouca coisa irrita mais um motorista que estrada em má conservação.
Categorias

Fique por dentro das novidades

Inscreva-se para receber novidades em seu Email, fique tranquilo que não enviamos spam!

Deixe seu Email para acompanhar as novidades 

Solicitar maiores informações

Preencha as informações abaixo e entre em contato com o anúnciante!