Inventário de GEE da mineração traz análises relacionadas a 27 substâncias minerais

 

Inventário de GEE da mineração traz análises relacionadas a 27 substâncias minerais

Inventário de GEE da mineração traz análises relacionadas a 27 substâncias minerais

Inventário de GEE da mineração traz análises relacionadas a 27 substâncias minerais

O Inventário de Emissões de GEE do Setor Mineral 2024 lançado pelo IBRAM neste dia 28/5, em Brasília, apresenta informações referentes ao ano base 2022, coletadas junto a uma amostra composta por 42 indústrias associadas ao IBRAM e a entidades como ABAL (Associação Brasileira do Alumínio) e SINDIROCHAS (Sindicato da Indústria de Rochas Ornamentais, Cal e Calcários) e Associação Brasileira do Carvão Mineral. Esta amostra representa 50% do ROM (sigla em inglês para run of mine ou minério lavrado) nacional. O estudo está focado em 27 bens minerais: Agalmatolito; Areia; Argila; Bauxita; Brita; Calcário; Carvão Mineral; Caulim; Chumbo; Cobre; Cobalto; Cromita; Espodumênio (Lítio); Estanho; Ferro; Fosfato; Gipsita; Magnesita; Manganês; Nióbio; Níquel; Ouro; Potássio; Prata; Rochas Ornamentais; Vanádio; Zinco.

O inventário considerou os Escopos 1, 2 e 3:

  • Escopo 1: Emissões diretas de GEE provenientes de fontes que pertencem ou são controladas pela mineradora. Exemplos: emissões da queima de combustível ou provenientes da transformação química ou física de algum material; mudança do uso do solo etc.;
  • Escopo 2: Emissões indiretas provenientes da aquisição de energia elétrica que é consumida;
  • Escopo 3: Emissões indiretas de GEE relacionadas a operações da cadeia de valor. Exemplo: emissões do transporte de funcionários para atividades relacionadas aos negócios da organização.

Emissões por substância mineral

Considerando a intensidade de emissões dos Escopos 1+2 por tonelada de minério, o segmento com maior emissão é o de rochas ornamentais: 0,148 tCO2e/t; depois prata: 0,131; chumbo: 0,080; vanádio: 0,063; espodumênio (lítio): 0,048. O minério mais produzido (em toneladas) no Brasil, o minério de ferro, está em 17º neste ranking: 0,008 tCO2e/t.

As emissões da categoria 10 do Escopo 3 totalizaram 762,25 milhões de tCO2e, sendo o 1º colocado em emissões o segmento de cobalto: 8,46 tCO2e/t; depois bauxita: 2,66; carvão mineral: 2,55; chumbo: 1,36. O minério de ferro ocupa a 7ª posição: 1,27 tCO2e. Segundo o estudo, para total conhecimento do impacto da produção mineral, optou-se por quantificar o Escopo 3 pela primeira vez em um inventário setorial da mineração. Essas emissões indiretas têm sua consolidação realizada com base em emissões reportadas pelos participantes e por meio de estimativas de cálculo de mercado.

Estudo identifica pontos de melhoria

Foram identificados pontos de melhoria para futuros inventários de emissões da indústria da mineração, entre os quais:

  • Aumentar, gradativamente, o número de bens minerais incluídos no inventário para estimular o aumento da maturidade do tema entre as empresas e identificar o perfil de emissão de outras tipologias;
  • Focar na expansão da contabilização de emissões para o Escopo 3, principalmente dos minerais críticos para a transição energética;
  • Refinar a contabilização das emissões fugitivas (liberações de GEE, geralmente não intencionais) de carvão, sobretudo as emissões de metano da exploração de minas profundas;
  • Estimular a elaboração dos inventários setoriais por bem mineral pelas associações relacionadas aos mesmos, de maneira a ampliar a participação das instituições na metodologia e no refino de resultados.

Oportunidades para descarbonizar setor da metalurgia

Foi também realizado um levantamento sobre oportunidades de descarbonização do principal elo da cadeia de valor da mineração e fonte importante das emissões de Escopo 3, a metalurgia. Exemplos:

  • economia circular (principalmente o uso de sucata reciclada), identificada como a atividade mais disponível para a descarbonização industrial;
  • na sequência, alteração nos processos produtivos (como eletrificação de equipamentos e troca de combustíveis, ou alteração de rotas de produção) podem ser alvo de reduções significativas em médio prazo.

Outros estudos do IBRAM – acesse no site do IBRAM – www.ibram.org.br

– Inventários de emissões de gases de efeito estufa referentes aos anos de 2008 e 2011: Projetos para contabilização das emissões de tipologias selecionadas de acordo com diretrizes, com a finalidade de obter o perfil de emissões do setor. O IBRAM esclarece que em razão de vários fatores, como mudanças de critérios ao longo dos anos e de número de empresas fornecedoras de dados sobre emissões, estes estudos anteriores não oferecem base comparativa para o inventário divulgado agora;

– Zero Carbon Mining (em produção): Projeto setorial focado na descarbonização da indústria mineradora no Brasil. Em parceria, IBRAM, o Governo Britânico no Brasil e o Mining Hub, lançam projetos para estruturar roadmap de descarbonização;

– Mineração Resiliente: Um Guia para a Mineração se Adaptar aos Impactos da Mudança Climática – IBRAM. Orientação e elaboração de estratégias que visam reduzir os riscos e explorar oportunidades resultantes das mudanças climáticas.

 

 

 

Deixe seu comentario

Ultimas Noticias

ACCIONA Brasil celebra ação global de voluntariado com foco em sustentabilidade Os voluntários da empresa promoveram atividades lúdicas para 460 estudantes dos bairros da
Categorias

Fique por dentro das novidades

Inscreva-se para receber novidades em seu Email, fique tranquilo que não enviamos spam!

Deixe seu Email para acompanhar as novidades 

Solicitar maiores informações

Preencha as informações abaixo e entre em contato com o anúnciante!